Anima – Gate of Memories

 

A poucos dias para o encerramento de sua campanha no Kickstarter, gostaria de apresentar o projeto Anima – Gate of Memories, cuja promessa é de um jogo de história profunda e excelente qualidade gráfica.
Baseado na franquia de livros de RPG, miniaturas e card games, Anima Beyond Fantasy, a versão digital conta com Carlos Blas Garcia, o criador da franquia, na liderança do projeto.


Nós também contamos com ele, para nos contar um pouco mais sobre seu projeto e essa experiência:

AoJ: Poderia nos contar mais sobre a franquia Anima?
Carlos: Anima Beyond Fantasy foi criado com a colaboração de autores ocidentais e asiáticos, traduzida para o inglês, espanhol, francês, italiano e alemão , e esta disponível para mais de 20 países. Sua característica mais marcante é o rico mundo de Gaia, um cenário anacrônico que combina vários elementos, tais como fantasia medieval tradicional com tecnologia baseada em magia.

AoJ: Como é composta a equipe envolvida no projeto?
Carlos: A equipe que trabalhará em Gate of Memories será formada por 20 pessoas. Para falar de uma pequena parte da equipe, eu serei o game designer, o lead programmer é Miguel Ferrer (que começou trabalhando no DOTA original), o lead conceptual artist é o designer internacional Wen Yu Li, e no comando da música está Anastasia Devana e o grupo Ashentide.
Muitos autores internacionais estão trabalhando na linha, como Kami, que atualmente trabalha para a Square Enix.
Há muitos nomes que podem vir e ir, mas acho que dá para ter uma ideia com isto.

AoJ: Como decidiram fazer esse jogo?
Carlos: O desenvolvimento de Anima Gate of Memories foi o projeto dos sonhos do studio desde o momento em que começaram a trabalhar no mundo de fantasia de Gaia, um projeto que permitirá trazer todo este maravilhoso cenário para os vídeo games.

AoJ: Segundo a descrição do jogo no Kickstarter, as “decisões erradas” terão impacto na progressão do jogo, então ele será não linear. Poderia nos contar sobre os desafios e as vantagens de fazê-lo dessa forma?
Carlos: Isso nos permite contar uma história profunda e, ao mesmo tempo, tornar o jogador quem toma as decisões que farão o destino dos personagens principais.

AoJ: Uma vez que o jogo é fortemente baseado em sua história, as escolhas do jogador não aumentam o risco de criar falhas de sequência na jogabilidade?
Carlos: Não, desde que você conheça bem uma história, um cenário, e os NPCs envolvidos com ele, você sabe como eles reagirão em cada situação. Isto nos dá a possibilidade de criar muitos resultados diferentes, o que depende do jogador.

AoJ: O projeto também descreve a possibilidade de trocar entre os dois protagonistas ilimitadamente, mesmo durante um ataque combo que executem juntos. O jogo também terá suporte multiplayer?
Carlos: Se certas metas forem atingidas, é claro.

AoJ: Sobre a campanha do Kickstarter, porque os investimentos são de valores tão baixos e altos?
Carlos: Porque nós queriámos que todo mundo pudesse ser parte do projeto, e, ao mesmo tempo, recompensar bastante as pessoas que estão fazendo grandes doações ao projeto.

AoJ: Qual a lição mais importante que tirou deste projeto que queira compartilhar com nossos leitores?
Carlos: Nunca perca a paixão por fazer jogos. Mesmo se este for um serviço como qualquer outro, as coisas feitas com paixão são sempre as melhores.

AoJ: Vocês tem um plano B para publicar o jogo, caso o projeto no Kickstarter falhe?
Carlos: Temo que o lançamento de Anima Gate of Memories esteja completamente vinculado ao projeto do Kickstarter. Mesmo que toda a pré-produção e as fundações do jogo estivessem terminadas, nós não poderiámos embarcar neste projeto sozinhos.

A data planejada para o lançamento de Anima Gate of Memories é junho de 2013. O projeto no Kickstarter se encerra em 14 de janeiro de 2013.
Podemos todos colaborar, torcer ou conhecer mais sobre ele no link: http://www.kickstarter.com/projects/1188790300/anima-gate-of-memories-0

Autor: Bárbara Bueno Ver todos os posts de
Sou Bacharel em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Sapucaí (Univás), Coach pelo Instituto Brasileiro de Coaching - IBC e, além de exercer as atividades de coach e assessora administrativa e contábil como autônoma, atuo no mercado de personalizados como sócia-diretora da Bigcat Artigos Personalizados. Explorando minha veia artística, tive alguma experiência na realização de projetos gráficos, impressão off-set e, em projetos escolares, no processo de criação e edição de vídeos educativos. Contudo, meu ponto forte reside na escrita, desenvolvida desde a infância e premiada pelo SESC Santo Amaro em 2003. Possuo mais de 30 personagens, envolvidos numa série de histórias de ficção. Jogadora hardcore e defensora de graphic adventures no estilo point and click, estudo o mercado e técnicas de desenvolvimento de games, a fim de ver gameficada a minha criação.

6 Comentários em "Anima – Gate of Memories"

  1. Marcelo Martins 14/01/2013 at 11:57 - Reply

    Obrigado por compartilhar, Bárbara. Não conhecia este projeto e achei muito interessante. Fico feliz em saber que os produtores já conseguiram arrecadar o dinheiro necessário.

  2. Daniel 14/01/2013 at 18:09 - Reply

    Bárbara, parabéns pelo grande post informativo e também pela sua ingressão na equipe do site ^^

    • Bárbara 16/01/2013 at 20:40 - Reply

      Muito obrigada, Daniel!
      Estou muito contente com esta novidade e também trabalhando para trazer bastante material interessante para o pessoal.

      Conto com os comentários de vocês para me orientar pelo caminho certo.

  3. Bianca Gonçalves dos Santos 17/01/2013 at 18:57 - Reply

    Bárbara! Parabéns!!! Gostei de conhecer um pouco mais sobre o projeto, show de bola!

  4. Renata 29/01/2013 at 20:26 - Reply

    Ola, adorei o site de vocês e gostaria de dar os parabéns, gosto muito da area de jogos e adoro jogar rsrs, pretendo ate fazer ciências da computação. Gostaria de um opinião de vocês que entendem mais, ciências da computação é um curso bom? e tem como aprender a fazer jogos?

    • Luiz Nörnberg 30/01/2013 at 10:10 - Reply

      Olá Renata, que bom que você gostou do blog!

      O curso de Ciência da Computação é bom sim (he he, sou bacharel exatamente nisso), mas é claro que a qualidade depende também da própria instituição.

      De modo geral, qualquer curso superior de informática (ciência/engenharia da computação, sistemas de informação, o chamado tecnólogo, …) te dão a base necessária para o desenvolvimento de jogos. Ao mesmo tempo, nenhum te deixa exatamente pronta para isso… Cabe a ti correr “por fora” na parte de jogos, fazer cursos específicos, ler bastante e praticar.

      Por exemplo, sempre que tiveres que entregar um trabalho para o curso, tente fazer na forma de jogo. Fiz muito disso.

Deixar um Comentário