Conselhos para o desenvolvedor iniciante

Que conselho você daria para o aspirante a desenvolvedor de jogos? Essa pergunta foi feita pelo site Design 3 a vários profissionais da indústria em suas entrevistas, ao longo de um ano, e a resposta de todos foi compilada em um único vídeo.

Neste post comentamos estes conselhos, acrescentando nossa opinião pessoal, porque são dicas tão importantes que nunca é demais lembrá-las.

Aqui no Abrindo o Jogo já demos vários conselhos para os desenvolvedores iniciantes, seja em posts específicos, seja em comentários no PodAbrir. Nosso objetivo é sempre o de passar nossa experiência e as boas práticas que coletamos ao longo do tempo para facilitar o trabalho daqueles que estão iniciando agora. Porque sabemos que não é um caminho fácil…

Alguns dias atrás me deparei com um vídeo onde o site Design 3 juntou os conselhos de vários profissionais da área, coletados ao longo de um ano em entrevistas para o site. Não foi surpresa ver que os conselhos são muito parecidos com os que damos aqui. Um material realmente interessante e, acredito, motivador.

Sendo assim, achei interessante compartilhas, e comentar, os principais conselhos neste post. E recomendo, claro, que assistam o vídeo na íntegra (o link está no final do post).

Os dois principais conselhos, que aliás nunca cansaremos de martelar aqui no AoJ, são: comece logo e comece pequeno. Pela quantidade de profissionais que dão estes mesmos conselhos, você pode ter certeza que são os conselhos mais válidos que alguém pode lhe dar nessa área.

Comece logo!

Will Wright (Stupid Fan Club), Ricky Hagget e Richard Hogg (Hohokum), Jesse Schell (Schell Games), Robin Hunicke (thatgamecompany), Ian Dicarlo e David Payne (UAT), Alex Schwartz (Owlchemy Labs), David Helgason (Unity), John Petters e Peter Hunter (Team Krinoid), Matt Rix (Magicule), Alex Neuse (Gaijin Games), Rod Humble (Linden Lab), Kyle Reden (Warden of Raal), Brian Provinciano (Retro City Rampage)

Começe já a fazer um jogo. Faça um nas próximas 48 horas. Sério, se você nunca fez um jogo completo, precisa urgentemente fazer um – nada de ficar uma semana ajustando o game engine, projetando o level design ideal, embelezando o código ou pensando qual o melhor padrão de projeto aplicar. Seu primeiro projeto não tem que ser grande ou legal – ele tem que ser… feito. Inteiro. Jogável. Termine de ler este post e faça um jogo.

Não há desculpas para adiar. Baixe o Construct2, Game Maker, Corona ou mesmo Unity. Outra opção para iniciar é juntar-se a uma comunidade de modders e trabalhar em um mod para um jogo existente. Não fique pensando “e se…”. Não pense muito – apenas faça. Isso é importante: termine algo. Pode ser o pior jogo da sua vida, pode ser apenas um protótipo jogável – mas será inteiramente feito por você e isso é um primeiro passo importante.

E não faça apenas um, faça vários. Experimente mecânicas diferentes, técnicas diferentes. E passe para outras pessoas jogarem. Você aprenderá muito sobre o que funciona ou não, com estas experiências.

O mesmo vale para quando montar uma equipe: façam um jogo simples, qualquer, mas que lhes dê a visão completa do processo, do fluxo de trabalho, das ferramentas necessárias. É incrível como isso pode ser mais importante do que o puro conhecimento técnico.

Comece pequeno!

Michael Allar e Zach Lehman (Emotional Robots Inc), Notch (Mojang), Andrew Maul e Kyle Brannon (UAT), Joe Robins (Unity), Dave Traeger e Scott Reismanis (Desura), Alex Quicke (Depth), Edmund McMillen (Team Meat)

Comece pequeno. Seu primeiro jogo não vai ser o próximo grande jogo da indústria – ele vai ser um dentre muitos projetos pequenos que você vai realizar em uma etapa de aprendizado. Não estou dizendo para desistir do seu sonho de um jogo grandioso. Pelo contrário, quero apenas dizer qual a melhor forma de você torná-lo realidade: não é começando por ele! Fazendo muito projetos pequenos (pequenos mesmo, coisa de uma semana, um mês no máximo), você vai entender as dificuldades do processo e se preparar melhor para “aquele” seu projeto dos sonhos.

Esteja preparado para errar, porque você vai errar. Muito. Projetos pequenos permitem aprender facilmente com os erros, podem ser refeitos do zero se preciso. Em um projeto grande, se um erro te leva de volta à prancheta, é muito provável que você desista se ainda não estiver devidamente preparado.

Invista naquilo em que você é melhor!

Niv Fisher (SpirySnail Games), Chris Hazard (Hazardous Software), Nateon Ajello (Mixamo), Ryan Arndt (IGDA), Charlie Cleveland (Unknown Worlds Entretainment)

Faça aquilo no qual você é melhor, aquilo que gosta, aquilo que sabe mais. Procure ser o melhor possível nisso.

Esse conselho tem dois lados: primeiro, diz respeito à começar pela tecnologia que você conhece. Seu objetivo pode ser fazer jogos para iOS e Android, mas se o que você domina é programação em C para Windows, comece por aí. Se você é novo na área de jogos e também no Android, por exemplo, estará aprendendo duas coisas novas ao mesmo tempo e isso pode dificultar tudo. A experiência adquirida em fazer um jogo vai muito além da linguagem ou plataforma utilizada. Entendendo o processo como um todo, em uma tecnologia conhecida, será mais fácil aprender depois uma tecnologia nova.

Por outro lado, faça algo baseado naquilo que talvez você conheça e outros não – isso permitirá a você fazer algo diferente, único, que chame atenção. Depois de alguns protótipos você certamente vai achar uma área na qual vai se destacar: IA, efeito gráficos, mecânicas inovadoras, game design, roteiro, etc. Ache a aquela área pelo qual você é mais apaixonado e invista nela, em projetos que mostrem o quanto domina ela. Esta é uma indústria bastante concorrida e se você não almejar sempre ser o melhor, pelo menos em uma área específica, ficará para trás.

Conheça o processo completo!

Caitlyn Meeks (Unity)

Aprenda de tudo um pouco. Certamente você vai dominar muito uma coisa ou duas, mas deve conhecer todas as outras. Por isso é tão importante você fazer projetos pequenos mas completos no início da sua carreira. Conheça ferramentas, entenda um pouco de arte (se você é programador) ou um pouco de lógica (se você é artista).

Estude, capacite-se!

Dan Adams (Unity), Mathieu Mazerolle (Autodesk)

Estude. Vá para faculdade… ou não, mas estude o quanto puder. A capacitação é, e sempre será, a escada para alcançar os patamares mais altos.

Torne-se conhecido!

Mathieu Mazerolle (Autodesk), Marc Mencher (Game Recruiter)

Conheça pessoas e faça-se conhecer. Desenvolver suas habilidades e não mostrar isso para ninguém não leva a lugar nenhum. Não são as suas habilidades que te fazem progredir. São as outras pessoas. Lembre-se disso. São as outras pessoas que vão lhe dar emprego, financiar seu projeto e, em última instância, comprar seu jogo. Então, vá a eventos, participe de comunidades on-line, contribua para outros projetos e exercite muito sua capacidade de se comunica – principalmente de forma escrita.

Poupe!

Thomas Grip (Frictional Games), Mark Essen (Nidhogg), Mircea Marghidanu e Chris Migleo (Unity)

Poupe, não gaste dinheiro se não for realmente necessário. Temos muitas opções de ferramentas gratuitas hoje em dia: use-as. Se montar uma equipe, mantenha ela pequena e não contrate ninguém. Procure juntar apenas pessoas comprometidas com o projeto, que trabalhem voluntariamente. Seus primeiros projetos podem não dar retorno financeiro, então não invista diretamente neles. Invista em capacitação.

Conclusão

Se eu tivesse recebido estes conselhos na minha época de iniciante (bons anos atrás) e tivesse acesso à informação e ferramentas que temos hoje, teria passado muito, muito menos trabalho… Por isso meu último conselho é: aproveitem estes conselhos!

Quanto mais você puder aprender com quem já está na área, melhor. Se por um lado hoje a disponibilidade de informação e tecnologias facilita a entrada na indústria de jogos, por outro lado facilita para todos, ou seja, a concorrência é grande. Então a dedicação, a capacitação e a experiência adquirida na prática é que ditarão a diferença entre os novos profissionais.

Abaixo o link para o vídeo (em inglês):

Autor: Luiz Nörnberg Ver todos os posts de
Sou Bacharel em Ciência da Computação pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel), onde também atuei como professor. Desde a época da faculdade (mais de quinze anos atrás) a paixão por jogos tem sido importante no meu direcionamento profissional. Sou sócio-fundador do Izyplay Game Studio, onde exerço o cargo de Diretor de Tecnologia. Sempre tive grande foco em desenvolvimento em Java, embora tenha migrando para a tecnologia Adobe AIR em função de sua portabilidade. Ah, e é claro, dou meus palpites no game design.

18 Comentários em "Conselhos para o desenvolvedor iniciante"

  1. Bárbara 30/03/2012 at 13:00 - Reply

    Ótimos conselhos!
    O melhor é o de aproveitar os conselhos, rsrs.

    Todos eles podem ser aplicados para quase qualquer coisa, e grande parte deles as pessoas já sabem, mas de um modo geral é muito raro seguirmos conselhos.

    Agora vou mandar o link desta página para uma pessoa a quem vivo dando um destes conselhos e não me escuta de jeito nenhum. Quem sabe vindo do Luiz Nörnberg ela não presta mais atenção?

    • Luiz Nörnberg 30/03/2012 at 17:05 - Reply

      Bárbara, é verdade! Os conselhos fazem todo sentido na teoria, e a gente cansa de ouvir… Mesmo assim, na prática, é comum fazermos o contrário. Eu incluído. Talvez por isso eu bata tanto nessa tecla.

      Ao mandar o link, lembra que não sou só eu não.. são 40 profissionais (contanto comigo) falando quase a mesma coisa. Tem que valer algo, né?

  2. Gilvan 30/03/2012 at 17:25 - Reply

    Conselhos muito valiosos , concordo com a Bárbara eles podem ser aplicados a tudo que diz respeito a area profissional.

  3. Gilvan 30/03/2012 at 17:33 - Reply

    Estou conhecendo o blog a uma semana e ja li todos os artigos e ouvi todos os pods e ja me matriculei no press start, e segurei a onda pra não faze-lo no de play N , ja to querendo muito meter a mão na massa. Só fico em dúvida entre o conselho sobre investir muito dinheiro versus a prossionalização , será que é essencial nessa área ir pra uma faculdade de jogos digitais ou pós em games ? Será que fazendo não ficando preso a uma faculdade e investindo em cursos livres e de forma auto-didata os resultados não são mais rápidos. Gostaria da opinião de vocês.O blog é a melhor referência que encontrei na net na área de games. Abraços parabéns pelo blog. Gilvan (RJ)

  4. Luiz Nörnberg 31/03/2012 at 22:19 - Reply

    Olá Gilvan. Muito obrigado pelos elogios!

    Pessoalmente não afirmo que o conhecimento ganho na universidade (em qualquer grau) seja maior ou melhor do que o conhecimento obtido por qualquer outra forma. Ouso afirmar que, em nossa realidade atual, é o contrário: mesmo indo para a faculdade, você deve estudar muito por conta e até fazer outros cursos “por fora”. Nosso currículos e principalmente as práticas na sala de aula, ainda estão aquém do ideal.

    Dito isso, é importante lembrar que há dois aspectos MUITO importantes da participação em uma universidade: o contato com os mestres e suas experiências (principalmente se forem ativos na área, e não apenas pesquisadores) e o que se aprende sobre comunicação, escrita, apresentações para o público, participação em congressos, etc.

    Ou seja, o estudo fica por sua conta de qualquer forma, mas estando inserido em uma instituição pode ajudar a abrir portas que de outra forma seria mais difícil.

  5. Francisco Prado 02/04/2012 at 09:17 - Reply

    Das dicas, acho que uma que se deve priorizar é o “Comece pequeno”.

    Digo isso porque deve-se manter o pé no chão no início (para “voar” depois, quando mais experiente). Um exemplo é quando as outras pessoas veem os seus primeiros projetos de estudo, aquele joguinho simples com roteiro ingênuo, e ficam frustradas, esperando o supergame 3D “blockbuster” e acha que você é limitado por isso (sendo que no começão falta tudo – dinheiro, cancha, equipe…).

    É o que pessoal do blog de empreendedorismo “Saia do Lugar” diz: é preciso estar preparado para a solidão. É nessas horas em que se é preciso “tapar os ouvidos” e entender que a estrada é longa (assim como em toda área). E acho que estou vivenciando essa área atualmente… :)

    Acho que é o famoso “foco”. ;D

    • Bárbara 02/04/2012 at 11:44 - Reply

      Eu escolhi outro conselho como o mais importante, mas é justamente este o que eu vivo falando para a pessoa a quem recomendei a postagem.
      O grande problema em querer as coisas grandes é que acaba-se desistindo antes mesmo de começar.

      E agora vou adicionar uma parte do seu comentário na lista de conselhos que eu não sigo: “tapar os ouvidos”.
      Queria aprender a fazer isto, mas é muito profunda em mim a ideia de que sozinha eu não consigo fazer nada.
      É por isto (e por aprender o significado de palavras como “cancha”), que o AoJ é tão legal!

      • Samuel DW 19/04/2012 at 10:03 - Reply

        A pessoa pra quem voce recomendará é um certo ruivo que conhecemos? :P

        • Bárbara Bueno 09/02/2013 at 13:08 - Reply

          Hahahaha! O próprio!
          Que pena que demorei tanto pra ver esse comentário!

          • Samuel DW 15/02/2013 at 14:01 -

            haha porque?

  6. renato florencia 03/04/2012 at 04:03 - Reply

    Ótimos conselhos…. O AoJ foi uma grata surpresa nas minhas atuais pesquisas na net sobre desenvolvimento de games, não sou da área ainda, pelo contrario estou engatinhando sempre trabalhei com Adm e financiamento mais quero mudar e tomei coragem, mas já sei que meu foco é atuar com games mesmo, estou lendo muito sobre logica de programação e tentando aprender o máximo por minha conta mesmo, afinal temos q começar por algum lugar né! Esse tópico veio como uma luva assim como todos os outros pra me dar um norte a seguir…

  7. Marcelo Martins 03/04/2012 at 11:23 - Reply

    Excelente artigo, Luiz. Esses conselhos são realmente importantes e funcionam! Uma pessoa que seguir esses passos certamente vai chamar atenção na indústria de jogos (nacional e internacional).

  8. Cezar Wagenheimer 05/04/2012 at 11:52 - Reply

    Ótimas dicas!!

    Sempre que alguém me pergunta como começar a desenvolver jogos, e já vem com idéias absurdas e tal, a primeira dica que eu dou é, esqueça de tudo primeiro, e faça um jogo simples, faça um TETRIS, não adianta querer começar com algo grande!

    Depois de você conseguir fazer um jogo simples, você terá um pouco de base para partir para algo maior. Muito melhor fazer algo simples que você vá terminar do que começar com algo maior que provavelmente você não vai conseguir terminar sendo iniciante e vai ter muitas frustações!

  9. Samuel DW 19/04/2012 at 10:06 - Reply

    Dicas válidas que são ditas desde os longinquos tempos de RPG Maker, e é como falaram, ouvir conselhos é facil, dificil é segui-los

  10. Rodrigo A. Souza 28/06/2012 at 17:02 - Reply

    O mais difícil de convencer os novatos é o “comece pequeno!”
    Ótimos conselhos ;)

    • Luiz 21/08/2012 at 22:30 - Reply

      com certeza… todo mundo quer começar e já ficar rico

  11. Eduado 31/07/2012 at 23:14 - Reply

    Grandes dicas obrigado

Deixar um Comentário