Desafios e Aventuras para Estudar Química Orgânica

placeholderantigo

ilustracaoJogos Educacionais sempre foram sinônimo de aplicativos  simples e voltados para o público infantil. Mesmo fora de nosso País, existem pouquíssimos projetos que ajudam a contrariar este conceito, ou preconceito. Mas quais seriam os fatores que contribuem para que jogos educacionais não sejam maduros, divertidos e desafiantes?

Em 2008 eu tive a oportunidade de participar de uma equipe que ajudou a mudar este conceito. Através de uma excelente parceria entre Gestum – Tecnologia Educacional, professores/técnicos da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA) e Instituto Federal Sul Riograndense de Pelotas, em julho deste ano foi apresentado à FINEP o produto final de um dos projetos produzidos para atender a um Edital de fomento a jogos educacionais. Trata-se do Química Aplicada, jogo que será utilizado para motivar os alunos do ensino médio a estudar Química Orgânica. Com isso, embora não fosse um objetivo do edital, consolidou-se uma parceria integrando empresa e universidade, a qual deverá ter continuidade em outros projetos.

O Game narra as aventuras e desafios de um repórter, que recebe informações sobre uma grande explosão em uma ilha, ao sul do Brasil. Mostra a pauta a seu editor chefe, o qual identifica as coordenadas como o local onde ocorrem pesquisas com Química Orgânica. Será que houve algum acidente? Será que há risco de contaminação ambiental na região? Será que haverá novas explosões? No percurso do jogo, o personagem deverá enfrentar vários desafios na ilha, entre eles: resolver uma emergência química no laboratório destruído; utilizar vários itens como um palmtop e um maçarico; passar por labirintos protegidas por sistemas de segurança; e até descobrir a combinação de combustíveis necessários para mover uma lancha e abandonar a ilha.

acidente

Chegada do repórter na ilha

O professor Eric Klopfer, do MIT, conta que os críticos dos games educacionais costumam chamá-los de brócolis cobertos de chocolate. A este respeito, a equipe de coordenação do Química Aplicada considera que um dos principais diferenciais deste jogo é exatamente a busca do equilíbrio entre a jogabilidade (o chocolate) e as exigências do conteúdo educacional (o brócolis). O fator mais trabalhado no Projeto de Jogo foi a forma como o conteúdo seria entregue ao aluno. Normalmente jogos educacionais deixam este evento bastante explícito, quebrando o ritmo do jogo. O segredo foi criarmos um contexto envolvendo o conteúdo, tornando-o parte da narrativa.

cavernas

O conhecimento de química é exigido em vários pontos do game.

“A participação da Gestum foi fundamental, garantindo a qualidade gráfica e a fluência do game, de forma envolvente e motivadora para o aluno, que realmente joga com gosto enquanto pesquisa os conteúdos de química, para resolver os desafios.” Comenta Maria Isabel Timm, Dra. em Informática na Educação pela UFRGS e principal responsável pelo projeto.

Outro fator que considero um grande diferencial do projeto, foi a autonomia dada ao professor. O docente, através de arquivos XML, pode configurar os puzzles, enredo, conteúdo e até o desfecho da história. Esta funcionalidade visa adequar o aplicativo a forma como cada professor organiza seu conteúdo na sala de aula.

Todos os puzzles possuem um contexto, o aluno quase não percebe que está aprendendo.

Todos os puzzles possuem um contexto, o aluno quase não percebe que está aprendendo.

Uma versão-piloto do jogo já está sendo aplicada com alunos da rede pública e privada do RS, com acesso via Internet. O jogo foi adequado ao padrão SCORM, para ser acessado através de qualquer LMS (Learning Management System), e tem total flexibilidade para futuros professores modificarem ou acrescentarem material de apoio, questões e outros desafios, adequando desta forma o game a várias possibilidades de aplicação em sala de aula.

Interessados em acessar e conhecer o jogo podem fazer contato com os coordenadores do projeto, através dos e-mails:

beta@cesup.ufrgs.br;
anzevedo@ufcspa.edu.br;
luis.otoni@terra.com.br.
Autor: Everton Vieira Ver todos os posts de
Sou Bacharel em Análise de Sistemas pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) no ano de 1999. Minha paixão por games é de longa data. Porém, em 2003 tornei essa paixão uma profissão. Durante oito anos atuei como Game Designer e Arquiteto de Software em mais de 30 projetos de Serious Games (simuladores) para grandes empresas do país. Atualmente sou sócio-fundador da Izyplay Game Studio, onde exerço o cargo de Diretor de Criação. Além do envolvimento corporativo, também participei da organização da Pós Graduação em Arquitetura e Desenvolvimento de Jogos Digitais na FATEC SENAC Pelotas. Minha área de interesse e especialização é Game Design e Inteligência Artificial.

3 Comentários em "Desafios e Aventuras para Estudar Química Orgânica"

  1. Nanda 24/10/2009 at 21:49 - Reply

    Parabéns pela iniciativa na área de Educação. Jogar é aprender!

  2. Rinaldo 08/05/2012 at 14:57 - Reply

    Certo, mas tem como nós darmos uma mordida nesse brócolis com chocolate? só conversando com os professores do e-mail?

    • everton.vieira 08/05/2012 at 16:27 - Reply

      Olá Rinaldo,

      Sim, pois o game apesar de gratuito tem os direitos relacionados a instituição.
      Ele é pode ser integrado a qualquer LMS (Sistema de Gerenciamento de Aprendizado), mas não roda standalone.

Deixar um Comentário