Leitor no Controle : Web Games

Olá gurizada, no Leitor no Controle de hoje contamos com o artigo sobre Web Games do Fabricio Boemeke. Fabricio é aluno da Pós Graduação do curso de Arquitetura e Desenvolvimento de Jogos Digitais do SENAC Pelotas. Ele traz uma interessante visão sobre o promissor mercado de webgames, não deixe de conferir.

Você também gostaria de participar desta coluna? Envie seu artigo para [email protected]

WebGames

Autor: Fabricio Boemeke

Introdução

Os Webgames são jogos eletrônicos que rodam a partir de navegadores de internet, normalmente com a necessidade de um plugin ou outro software de fácil instalação. Esses jogos surgiram por volta de 1997, com jogos simples, como jogos da forca, jogos da velha, jogos da memória entre muitos outros. Mas com a evolução das tecnologias para desenvolvimento Web, o aumento da acessibilidade a internet e o crescimento da internet por Banda Larga, os webgames evoluíram e hoje estão bem mais elaborados e atrativos. Atualmente esse segmento esta em alta, e é o mais visado pelos desenvolvedores brasileiros.

O Mercado

Hoje os números em participação do mercado dos Webgames superam os jogos de 5ª geração(como Playstation, da Sony e Nintendo 64, da Nintendo). Conforme uma pesquisa realizada em 2008 pela Abragames – Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos, no ano de 2005 esse nicho dominava cerca de 50% do mercado. E apesar do surgimento de uma nova geração de consoles. Em 2008 os webgames ainda tinham cerca de 38% do mercado.

Como exemplo do aquecido mercado desse segmento, pode-se citar os jogos em redes sociais (como Facebook e Orkut). Os denominados Games Sociais são febre nos dias de hoje. Por exemplo, o jogo FarmVille é um simulador de fazenda desenvolvido em Flash pela produtora Zynga. Esse simulador em novembro de 2009 já alcançava a marca de 63,7 milhões de usuários, sendo que havia sido lançado em junho do mesmo ano. E tem como modelo de negocio produtos de mechandise e a venda de uma “moeda virtual”, que permite comprar itens exclusivos e/ou obter itens com menos trabalho.

No mercado brasileiro pode-se citar como exemplo de empresas que estão se dando bem com Jogos Web: O Estudio O2 Games, que desenvolveu em Flash, o jogo A Pequena Grande Crise – o qual obteve a marca de 50 mil usuário em menos de 2 meses. Outra brasileira que está indo bem é a Jynix Playware, o foco dessa empresa são os Advergames (não exclusivamente Webgames). Mas pra quem pensa em desenvolver jogos pra Web não pode ignorar esse nicho, que vai no embalo do crescimento da publicidade brasileira, a qual cresce 10% ao ano.

Nichos de Mercado para Webgames

Como exemplo das empresas recém citadas, podemos notar os seguintes nichos de mercado para os jogos web: os Games Sociais e os Advergames.

O Games Sociais, ou Jogos Sociais, são webgames que se utilizam de redes sociais como Facebook e Orkut. Os jogos sociais permitem aos usuários competir, interagir e fazer amigos. Nesse nicho o principal modelo de negócio é o de vender uma “moeda virtual” que permite comprar itens exclusivos e/ou facilitar a aquisição de itens difíceis de conseguir. Mas esse nicho também permite que se possa vender merchandise. O segmento dos Games Sociais está em alta, sendo assim, uma boa oportunidade para os desenvolvedores entrar no mercado dos Webgames.

Os advergames são jogos que se utilizam de uma temática para vender um produdo/serviço ou marca. Ou podem simplesmente estarem dentro de um site de um produto ou de uma marca, auxiliando a fixar este produto aos seus usuários. Essa também pode ser uma boa opção para os desenvolvedores e Webgames. Dentro desta mesma linha esta AdSense para Games, produto oferecido pelo Google(http://www.google.com/ads/games/index.html).

Desenvolvendo Webgames

Os Jogos Web podem ser divididos em duas categorias, Browser-based Game e Plugin-based Game.

Os Browser-based Game, também denominados de Server-side Games, possuem o foco do processamento no servidor, utilizando tecnologias como PHP, ASP, Pearl, Python, Ruby e Java.

Os jogos MMORPG (Massively ou Massive Multiplayer Online Role-Playing Game ou Multi Massive Online Role-Playing Game) da Web são os que se enquadram nessa categoria. Onde o Browser é utilizado apenas com View, enquanto, servidor é responsável por todo gerenciamento do jogo. Como exemplo temos: o Bite Fight(http://www.bitefight.com.pt), o Ikariam (http://ikariam.com.pt) e o Kings Age(http://www.kingsage.com.br).

Os Plugin-based Game, também denominados Client-side Games, utilizam o processamento da máquina do cliente através de plugins. Dentre as tecnologias mais importantes estão Java, Unity, Silver Light e Flash Player.

Os jogos desta categoria são os mais promissores. O poder de processamento dos plugins tem evoluído a cada ano. E apesar do Flash Player ser o plugin mais visado desta categoria, e o principal responsável pela evolução dos Webgames. O Unity 3D é a grande sensação do momento, por permitir desenvolvimento de jogos com gráficos em 3D e de boa qualidade.

A empresa gaúcha, Aquiris que tem se dado bem com Unity 3D. Ela já desenvolveu jogos para Gillette, Axe, Chevrolet, Laka, Olympikus entre muitos outros.

Vantagens dos Webgames

Uma das principais vantagens que podemos citar sobre os webgames é que eles foram feitos para a web. Sendo assim, podem ser jogados independentes de sistema operacional, não necessitam instalação (apenas do plugin ou o player necessário), os requisitos mínimos são um navegador e acesso a internet, não necessitam de uma Publisher e são de fácil distribuição e divulgação;

Desvantagens dos Webgames

Nos jogos Plugin-based game, as desvantagens são as limitações dos próprios plugins que não permitem aos desenvolvedores manipulação direta de memória e processamento. Além de serem mais lentos que os jogos desenvolvidos para uma determinada plataforma, por exemplo, utilizando a linguagem C.

Nos Browser-based games, a desvantagem fica na necessidade de acesso a internet para que o usuário possa jogar.

Quem Joga?

De acordo com Nielsen/NetRatings, 30,5% do público dos jogos online tem entre 35 e 49 anos de idade, comparado com 16,6% entre 25 e 34, e 14,3% entre 12 e 17. A pesquisa mostra ainda que 41% dos jogadores de sites de jogos online como GameSpot, Candystand e Pogo são mulheres.

Além disso, 70% dos jogadores preferem jogos casuais; destes, 43% são homens e 57 são mulheres; idade entre 25 e 45 anos.

Conclusão

Com tudo, acredito que desenvolver webgames seja uma boa opção, pelo menos para entrar no mercado de games. Até mesmo pra quem não pretende permanecer nesse nicho. Pois mesmo podendo não se obter lucro com os webgames no início, eles servem para divulgar nossa ambição, nos ajudar a ganhar visibilidade e conquistar futuros investidores, os quais poderão perceber nosso talento através da grande porta que é a internet.

E pra quem pretende investir mesmo nessa área, acredito que seja uma ótima opção. Pois esse mercado demonstra um incrível potencial que ainda pode ser desbravado. E como exemplo das empresas citadas anteriormente ele também pode ser bem lucrativo.

Referências

http://www.alphachannel.com.br/blog/2009/05/web-games-saiba-mais
http://www.programadoresdejogos.com/forum/viewtopic.php?f=6&t=12264
http://blog.abrindoojogo.com.br/2009/10/23/webgames-um-mercado-em-expansao/
http://pt.wikipedia.org/wiki/Webgame
http://pt.wikipedia.org/wiki/FarmVille
http://www.oitobits.net/arquivo/propaganda-em-jogos-e-advergames/
http://empresasefinancas.hsw.uol.com.br/advergame.htm
http://planetagamer.com.br/?tag=advergames
http://www.sbgames.org/papers/sbgames09/culture/short/cults3_09.pdf
http://www.baixaki.com.br/info/3201-jogos-sociais-por-que-eles-fazem-tanto-sucesso-.htm
http://www.slideshare.net/fchamis/advergames-no-brasil
REVISTA EDGE, Nº3, Agosto de 2009 – Editora Europa;
REVISTA EDGE, Nº5, Outubro de 2009 – Editora Europa;
REVISTA EDGE, Nº9, Fevereiro de 2010 – Editora Europa;

WebGames

Objetivo

Esse trabalho tem como objetivo instigar os alunos a sanar suas dúvidas sobre o desenvolvimento de jogos, realizando pesquisas sobre o assunto que desperta interesse. Este documento relata uma pesquisa sobre Webgames.

Introdução

Os Webgames são jogos eletrônicos que rodam a partir de navegadores de internet, normalmente com a necessidade de um plugin ou outro software de fácil instalação. Esses jogos surgiram por volta de 1997, com jogos simples, como jogos da forca, jogos da velha, jogos da memória entre muitos outros. Mas com a evolução das tecnologias para desenvolvimento Web, o aumento da acessibilidade a internet e o crescimento da internet por Banda Larga, os webgames evoluíram e hoje estão bem mais elaborados e atrativos. Atualmente esse segmento esta em alta, e é o mais visado pelos desenvolvedores brasileiros.

O Mercado

Hoje os números em participação do mercado dos Webgames superam os jogos de 5ª geração(como Playstation, da Sony e Nintendo 64, da Nintendo). Conforme uma pesquisa realizada em 2008 pela Abragames – Associação Brasileira das Desenvolvedoras de Jogos Eletrônicos, no ano de 2005 esse nicho dominava cerca de 50% do mercado. E apesar do surgimento de uma nova geração de consoles. Em 2008 os webgames ainda tinham cerca de 38% do mercado.

Como exemplo do aquecido mercado desse segmento, pode-se citar os jogos em redes sociais (como Facebook e Orkut). Os denominados Games Sociais são febre nos dias de hoje. Por exemplo, o jogo FarmVille é um simulador de fazenda desenvolvido em Flash pela produtora Zynga. Esse simulador em novembro de 2009 já alcançava a marca de 63,7 milhões de usuários, sendo que havia sido lançado em junho do mesmo ano. E tem como modelo de negocio produtos de mechandise e a venda de uma “moeda virtual”, que permite comprar itens exclusivos e/ou obter itens com menos trabalho.

No mercado brasileiro pode-se citar como exemplo de empresas que estão se dando bem com Jogos Web: O Estudio O2 Games, que desenvolveu em Flash, o jogo A Pequena Grande Crise – o qual obteve a marca de 50 mil usuário em menos de 2 meses. Outra brasileira que está indo bem é a Jynix Playware, o foco dessa empresa são os Advergames (não exclusivamente Webgames). Mas pra quem pensa em desenvolver jogos pra Web não pode ignorar esse nicho, que vai no embalo do crescimento da publicidade brasileira, a qual cresce 10% ao ano.

Nichos de Mercado para Webgames

Como exemplo das empresas recém citadas, podemos notar os seguintes nichos de mercado para os jogos web: os Games Sociais e os Advergames.

O Games Sociais, ou Jogos Sociais, são webgames que se utilizam de redes sociais como Facebook e Orkut. Os jogos sociais permitem aos usuários competir, interagir e fazer amigos. Nesse nicho o principal modelo de negócio é o de vender uma “moeda virtual” que permite comprar itens exclusivos e/ou facilitar a aquisição de itens difíceis de conseguir. Mas esse nicho também permite que se possa vender merchandise. O segmento dos Games Sociais está em alta, sendo assim, uma boa oportunidade para os desenvolvedores entrar no mercado dos Webgames.

Os advergames são jogos que se utilizam de uma temática para vender um produdo/serviço ou marca. Ou podem simplesmente estarem dentro de um site de um produto ou de uma marca, auxiliando a fixar este produto aos seus usuários. Essa também pode ser uma boa opção para os desenvolvedores e Webgames. Dentro desta mesma linha esta AdSense para Games, produto oferecido pelo Google(http://www.google.com/ads/games/index.html).

Desenvolvendo Webgames

Os Jogos Web podem ser divididos em duas categorias, Browser-based Game e Plugin-based Game.

Os Browser-based Game, também denominados de Server-side Games, possuem o foco do processamento no servidor, utilizando tecnologias como PHP, ASP, Pearl, Python, Ruby e Java.

Os jogos MMORPG (Massively ou Massive Multiplayer Online Role-Playing Game ou Multi Massive Online Role-Playing Game) da Web são os que se enquadram nessa categoria. Onde o Browser é utilizado apenas com View, enquanto, servidor é responsável por todo gerenciamento do jogo. Como exemplo temos: o Bite Fight(http://www.bitefight.com.pt), o Ikariam (http://ikariam.com.pt) e o Kings Age(http://www.kingsage.com.br).

Os Plugin-based Game, também denominados Client-side Games, utilizam o processamento da máquina do cliente através de plugins. Dentre as tecnologias mais importantes estão Java, Unity, Silver Light e Flash Player.

Os jogos desta categoria são os mais promissores. O poder de processamento dos plugins tem evoluído a cada ano. E apesar do Flash Player ser o plugin mais visado desta categoria, e o principal responsável pela evolução dos Webgames. O Unity 3D é a grande sensação do momento, por permitir desenvolvimento de jogos com gráficos em 3D e de boa qualidade.

A empresa gaúcha, Aquiris que tem se dado bem com Unity 3D. Ela já desenvolveu jogos para Gillette, Axe, Chevrolet, Laka, Olympikus entre muitos outros.

Vantagens dos Webgames

Uma das principais vantagens que podemos citar sobre os webgames é que eles foram feitos para a web. Sendo assim, podem ser jogados independentes de sistema operacional, não necessitam instalação (apenas do plugin ou o player necessário), os requisitos mínimos são um navegador e acesso a internet, não necessitam de uma Publisher e são de fácil distribuição e divulgação;

Desvantagens dos Webgames

Nos jogos Plugin-based game, as desvantagens são as limitações dos próprios plugins que não permitem aos desenvolvedores manipulação direta de memória e processamento. Além de serem mais lentos que os jogos desenvolvidos para uma determinada plataforma, por exemplo, utilizando a linguagem C.

Nos Browser-based games, a desvantagem fica na necessidade de acesso a internet para que o usuário possa jogar.

Quem Joga?

De acordo com Nielsen/NetRatings, 30,5% do público dos jogos online tem entre 35 e 49 anos de idade, comparado com 16,6% entre 25 e 34, e 14,3% entre 12 e 17. A pesquisa mostra ainda que 41% dos jogadores de sites de jogos online como GameSpot, Candystand e Pogo são mulheres.

Além disso, 70% dos jogadores preferem jogos casuais; destes, 43% são homens e 57 são mulheres; idade entre 25 e 45 anos.

Conclusão

Com tudo, acredito que desenvolver webgames seja uma boa opção, pelo menos para entrar no mercado de games. Até mesmo pra quem não pretende permanecer nesse nicho. Pois mesmo podendo não se obter lucro com os webgames no início, eles servem para divulgar nossa ambição, nos ajudar a ganhar visibilidade e conquistar futuros investidores, os quais poderão perceber nosso talento através da grande porta que é a internet.

E pra quem pretende investir mesmo nessa área, acredito que seja uma ótima opção. Pois esse mercado demonstra um incrível potencial que ainda pode ser desbravado. E como exemplo das empresas citadas anteriormente ele também pode ser bem lucrativo.

Referências

http://www.alphachannel.com.br/blog/2009/05/web-games-saiba-mais

http://www.programadoresdejogos.com/forum/viewtopic.php?f=6&t=12264

http://blog.abrindoojogo.com.br/2009/10/23/webgames-um-mercado-em-expansao/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Webgame

http://pt.wikipedia.org/wiki/FarmVille

http://www.oitobits.net/arquivo/propaganda-em-jogos-e-advergames/

http://empresasefinancas.hsw.uol.com.br/advergame.htm

http://planetagamer.com.br/?tag=advergames

http://www.sbgames.org/papers/sbgames09/culture/short/cults3_09.pdf

http://www.baixaki.com.br/info/3201-jogos-sociais-por-que-eles-fazem-tanto-sucesso-.htm

http://www.slideshare.net/fchamis/advergames-no-brasil

REVISTA EDGE, Nº3, Agosto de 2009 – Editora Europa;

REVISTA EDGE, Nº5, Outubro de 2009 – Editora Europa;

REVISTA EDGE, Nº9, Fevereiro de 2010 – Editora Europa;

Autor: Everton Vieira Ver todos os posts de
Sou Bacharel em Análise de Sistemas pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) no ano de 1999. Minha paixão por games é de longa data. Porém, em 2003 tornei essa paixão uma profissão. Durante oito anos atuei como Game Designer e Arquiteto de Software em mais de 30 projetos de Serious Games (simuladores) para grandes empresas do país. Atualmente sou sócio-fundador da Izyplay Game Studio, onde exerço o cargo de Diretor de Criação. Além do envolvimento corporativo, também participei da organização da Pós Graduação em Arquitetura e Desenvolvimento de Jogos Digitais na FATEC SENAC Pelotas. Minha área de interesse e especialização é Game Design e Inteligência Artificial.

3 Comentários em "Leitor no Controle : Web Games"

  1. Diego Almada 08/10/2010 at 13:39 - Reply

    Ola

    Gostaria de saber se o vai ter um novo curso de extensão de desenvolvimento de jogos? E também se vai abrir vagas para a pós graduação no Senac?

    Agradeço desde já
    Diego Almada

    • everton 09/10/2010 at 00:03 - Reply

      Olá Diego,

      Sim, estaremos em breve disponibilizando novos cursos. Porém, queremos oferecer a comunidade algo completo com um ambiente de estudo adequado. Estamos neste momento em negociações com parceiros de plataformas de ensino. Aguarde novidades aqui no blog.
      Em relação a pós do SENAC, ela está indo de vento em polpa. No início do ano abriremos uma nova turma e o período de inscrições será divulgado aqui no site.

Deixar um Comentário