PodAbrir 05 – Abrindo uma Empresa de Games

05

Olá Pessoal! Antes tarde do que não sair… Saindo o podAbrir #5! Neste episódio contamos com a participação do Rafael Rodrigues da Izyplay, respondendo uma série de perguntas sobre como abrir uma empresa de games. Por acaso já pensou em abrir uma? Já tem uma e quer algumas dicas? Então esse episódio é para você!

Participantes: Alessandro Nornberg e Rafael Rodrigues

Categoria: Negócio

Links comentados na seção de recados e e-mails

Links comentados neste episódio

PodCast

Siga o nosso podcast em http://abrindoojogo.com.br/feed/podcast. Para o Itunes, basta copiar e colar este endereço em “Advanced – Subscribe to podcast…” ou acesse direto na store por aqui.

Autor: Everton Vieira Ver todos os posts de
Sou Bacharel em Análise de Sistemas pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) no ano de 1999. Minha paixão por games é de longa data. Porém, em 2003 tornei essa paixão uma profissão. Durante oito anos atuei como Game Designer e Arquiteto de Software em mais de 30 projetos de Serious Games (simuladores) para grandes empresas do país. Atualmente sou sócio-fundador da Izyplay Game Studio, onde exerço o cargo de Diretor de Criação. Além do envolvimento corporativo, também participei da organização da Pós Graduação em Arquitetura e Desenvolvimento de Jogos Digitais na FATEC SENAC Pelotas. Minha área de interesse e especialização é Game Design e Inteligência Artificial.

11 Comentários em "PodAbrir 05 – Abrindo uma Empresa de Games"

  1. Bruno Rafante 25/09/2011 at 02:04 - Reply

    Um milhão de dúvidas, vou filtrar uma a uma.
    Primeiro gostaria de parabenizar o AoJ, já demonstrei antes em alguns posts a minha grande satisfação com o trabalho de vocês e estava já bastante ansioso pelo próximo podcast que foi surpreendente como todos os outros. Parabéns Alessandro e Rafael.
    Bom, eu gostaria de saber algumas coisas.

    1) É possível entrar no mercado (ainda que de forma tênue) com um jogo independente para tentar levantar fundos (com a distribuição desse jogo) para depois se abrir uma empresa de games?

    2) Existe alguma lei que limite a distribuição via internet de um jogo em diversos países? Por exemplo, eu desenvolvo um jogo para Web e quero cobrar mensalidade dele, mas quero disponibilizá-lo mundialmente. Eu devo observar as leis do meu país ou de cada país que poderia ter acesso?

    Bom, por hora é só, depois postarei outras perguntas. Desde já, agradeço a contribuição.

  2. rafael.rodrigues 26/09/2011 at 00:37 - Reply

    Oi Bruno, tudo bem?

    obrigado pelo reconhecimento. Vamos por partes…

    1) Sem dúvida é possível. Principalmente se o game estiver dentro de alguns parâmetros que são cruciais hoje no mercado. Dá uma olhada neste post de um xará. http://alessandrolima.com/blog/games/rafael-rodrigues-10-dicas-de-como-fazer-um-jogo-de-sucesso-para-iphone/
    Mas fica uma pergunta no ar… como arrumar grana para fazer o game indie?

    2) Esse problema, direitos | marca | cobrança | etc é bem sério. Deve-se observar o que dizem as leis de cada país. Infelizmente, não temos leis unificadas e que envolvam vários países. Pensar que não teremos problemas no país x, y ou z é utopia. Te aconselho é ter um bom advogado na agenda para recorrer ao telefone dele caso algum problema for identificado.

    Até a próxima.

  3. Leandro Vian 29/09/2011 at 15:48 - Reply

    Salve galera, ótimo podcast, muito bom pra orientar quem está pensando no assunto.

    Em relação a atenção dada ao “negócio” empresa de jogos achei ótimo chamar a atenção sobre o fato de que todo gerenciamento funciona da mesma forma como qualquer outro negócio, eu só não fui pego de surpresa com esse podcast porque já havia começado a ler a respeito depois de ler um post aqui no site sobre o assunto, e desde lá já procurei me informar sobre o Sebrae e com a incubadora tecnológica aqui na universidade.

    Achei interessante a atenção dada para os vários modos de se “criar” uma empresa e/ou angariar fundos. Só fiquei com uma dúvida que me vem a cabeça agora em relação ao cast, com a facilidade de ser desenvolver em casa e distribuir o jogo de forma indie em sistemas a lá Steam/Origim/Impulse ou em sites de jogos casuais, vale mesmo a pena criar uma empresa sem que se esteja partindo para projetos mais sérios/maiores onde realmente é preciso toda estrutura empresarial associada? É vantajoso ter uma empresa quando se está em estágio “indie”, quando se está basicamente trabalhando em projetos para que se ganhe experiência sem que o objetivo principal seja realmente ter lucro significativo sobre os projetos?

    Saindo um pouco do assunto, ótima escolha com Tenacious D. Além disso me espantei com o Rafael falando, voz de locutor ein hahahah!

    abraços.

  4. rafael.rodrigues 29/09/2011 at 18:18 - Reply

    Oi Leandro,

    ótima pergunta… no estágio indie eu sugiro um processo de incubação e fundos de captação de investimento como a Anprotec. Senão, os custos de administração podem “matar” a empresa mesmo antes de “nascer”. Especialistas dizem que uma empresa só é uma “empresa” se ela aguentar 10 anos no mercado. Puxa… 10 anos? É isso mesmo! Antes deste tempo, se a empresa quebrar, ela entra em um “ralo comum”. Então, se o empreendedor está em início de carreira, que esteja incubado.

    Sobre a voz…

    Leandro 1 x 0 Rafael

    No próximo podAbrir que eu participar vou fazer uma entrevista contigo e fazer uma avaliação da tua voz. Vou ver se consigo reverter esse placar. :P

  5. Marcelo Martins 30/09/2011 at 11:41 - Reply

    Pessoal,

    Obrigado por mais esse episódio do Podabrir. O assunto é excelente e muito oportuno.

    Uma dica interessante sobre o plano de negócio: é importante se preparar para mudá-lo constantemente. A dinâmica do mercado muda muito rapidamente e você e sua empresa precisam se adaptar. É difícil, mas vital.

    • rafael.rodrigues 30/09/2011 at 15:15 - Reply

      Oi Marcelo,

      de fato! É preciso estar atento as mudanças de mercado e correr junto com elas.

  6. Leandro Vian 30/09/2011 at 19:06 - Reply

    Pois é galera, mas ainda acho que vale a pena trabalhar bastante em casa pra obter experiência antes de ir pra incubadora, acho que muitas vezes as pessoas podem se animar demais com essa “facilidade” e ajuda que vem acompanhados pela incubadora, e pensam que podem obter a experiência necessária para produzir jogos já estando lá, quando na verdade já se deve ter uma bagagem sólida, afinal não se pode ficar meses ou ou anos na incubadora “aprendendo”, quando se está lá já se deve conseguir produzir algo mesmo que em estágio inicial.

    abraços

  7. rafael.rodrigues 03/10/2011 at 01:24 - Reply

    Oi Leandro,

    trabalhar em casa ou onde quer que seja vale muito. Costumo dizer que antes de abrir seu próprio negócio é bom trabalhar na área e adquirir uma boa experiência para ver se é aquilo que realmente se espera e deseja. Nas incubadoras o tempo limite gira em torno de 2 anos. Um fator que ameniza este problema que colocas é o fato das incubadoras fazerem um triagem das futuras empresas antes de serem incubadas. Mas isso não resolve…

  8. Gege 26/09/2012 at 04:02 - Reply

    cara, troca as musicas as vezes, da uma pausa na conversa e talz… que ajuda mt a nos manter focados no podcast… quando for mudar de tópico, que mude a musica, pro ritmo da conversa, ficando só numa musica por esse tempo todo, cansa mt!

    • everton.vieira 03/10/2012 at 20:58 - Reply

      Olá Gege,
      Sua sugestão é bem vinda. Tanto que já estamos editando desta forma os novos episódios ;)

Deixar um Comentário