PodAbrir 14 – Advergame

Olá gurizada,

Estamos de volta com mais um episódio do PodAbrir, o seu podcast sobre desenvolvimento de games. Hoje faremos uma pausa no arco sobre profissões para trazer um assunto em bastante evidência no mercado nacional, os Advergames. Eu e Alessandro falaremos sobre o conceito, produção e potêncial deste tipo de jogo/mídia.

Participantes:
  • Everton Vieira
  • Alessandro Nörnberg
Categoria:
  • Teórico: Mercado

Links comentados na seção de recados e e-mails:

Links comentados neste episódio:

Trilha Sonora

PodCast

Visitem nossa página no Facebook

Autor: Everton Vieira Ver todos os posts de
Sou Bacharel em Análise de Sistemas pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) no ano de 1999. Minha paixão por games é de longa data. Porém, em 2003 tornei essa paixão uma profissão. Durante oito anos atuei como Game Designer e Arquiteto de Software em mais de 30 projetos de Serious Games (simuladores) para grandes empresas do país. Atualmente sou sócio-fundador da Izyplay Game Studio, onde exerço o cargo de Diretor de Criação. Além do envolvimento corporativo, também participei da organização da Pós Graduação em Arquitetura e Desenvolvimento de Jogos Digitais na FATEC SENAC Pelotas. Minha área de interesse e especialização é Game Design e Inteligência Artificial.

13 Comentários em "PodAbrir 14 – Advergame"

  1. Gabriel Araujo 02/03/2012 at 11:39 - Reply

    Bom cast,
    porem toda vez que eu penso em advergames eu penso em Flash,
    o que me gera profunda estranheza,
    espero que essa area cresca também para o mundo mobile

    …Still Looking for the new forum …

    • everton.vieira 02/03/2012 at 14:02 - Reply

      Olá Gabriel,

      Realmente o Flash Player ainda é a plataforma mais utilizada para este tipo de game. Porém, a tendência é que isso mude rapidamente. Já é possível encontrar vários exemplos desenvolvidos em Unity3D (Aquiris) e também em HTML 5 (Izyplay).

      Da mesma forma, vejo este tipo de game cada vez mais presente nos mobiles.

  2. Francisco Prado 02/03/2012 at 14:10 - Reply

    Acho que as agências de publicidade deveriam dar mais espaço ao advergame (assim como para outras “mídias” como apps para Facebook, etc).

    Já se faz bastante, é verdade, mas ainda é colocado muito como uma ação secundária (não está na categoria principal que TV, impressa, rádio etc. ocupam), sendo que o advergame é bem rentável se comparada a essas mídias mais “velhas”. Enfim, é uma questão de cultura que tende a mudar, penso.

    • everton.vieira 02/03/2012 at 14:17 - Reply

      Apoiado Francisco :)

    • Francisco Prado 04/03/2012 at 14:00 - Reply

      Lembrando: um advergame que joguei e me lembro até hoje é o Global Gladiators (Master System/Mega Drive), lançado pelo McDonald’s. Além de promover a marca o jogo tinha uma mensagem bem ecológica (seria um advergame + game de ativismo? Não sei :D ).

  3. Marcelo Martins 02/03/2012 at 17:37 - Reply

    Pessoal,

    Excelente episódio. Muito educativo e interessante, como é de costume do Abrindo o Jogo.

    Também joguei Chester Cheetah e Cool Spot na época que foram lançados. Everton, também não conhecia o 7UP e fiquei muito impressionado com o jogo. Para mim, Cool Spot é um dos melhores jogos de plataforma da geração 16-bit.

    • everton.vieira 02/03/2012 at 19:14 - Reply

      Olá Marcelo,

      Cool Spot seria o meu preferido se não fosse um game maluco e muito divertido para o NES chamado Yo! Noid. Ele é também um advergame desenvolvido para a franquia de Pizzas Dominó. Este dois relatos deixam claro que um advergame tem tudo para ser um game divertido e cativante se for bem projetado.

      • Alex Cançado 09/03/2012 at 21:07 - Reply

        Yo! Noid é muito bom mesmo, joguei muito hahaha!

        Parabéns pelo tema, muito bom o PodAbrir!

        Abraços.

  4. Leandro Vian 02/03/2012 at 21:36 - Reply

    Salve galera, concordo com os pontos levantados pelo pessoal e pela equipe, os comentários estão ficando cada dia melhor. ;) A única coisa que eu acredito que poderia ter ganho um espaço maior nesse podcast, seria quanto ao equilíbrio entre marketing e jogo. Imagino que muitas vezes um advergame tem seu gameplay “atrapalhado” por digamos um executivo que achou que os símbolos da marca eram pequenos ou não apareciam muito, e ao serem modificados acabaram tirando o foco do jogador dos elementos de gameplay. Ou quem sabe queriam que o o ajudante do mascote da empresa também aparecesse no jogo e ao ser inserido desbalanceou alguns aspectos que foram pensados tendo somente um personagem para ser escolhido. Enfim, talvez por esse assunto ter um enfoque no gameplay acabe sendo melhor abordado em outro podcast.

    abraço.

    • everton.vieira 03/03/2012 at 11:10 - Reply

      Perfeita a sua colocação Leandro. Realmente o assunto é complexo e não é possível abordar todos os pontos em um único episódio. Mas, os comentários estão aqui para isso ;)
      Nós mesmos já passamos por situações bem semelhantes a descrita por você. O cliente, normalmente, possui uma visão mais “conservadora” de marketing, exigindo que o seu produto ou marca apareçam de forma explicita em vários pontos do jogo. Neste momento, é fundamental esclarecer que o advergame é capaz de vender o benefício do produto ou o que a marca representa. Fatores estes, muito superiores a uma mera exposição.

  5. Bárbara 26/03/2012 at 12:55 - Reply

    A exemplo deste PodAbrir, vocês poderiam comentar também sobre Serious Games.
    É menos popular, mas é também um assunto muito bom.

  6. Emerson Lourenço 19/02/2013 at 16:18 - Reply

    http://blogs.estadao.com.br/modo-arcade/ao-vencedor-a-cerveja/

    Olha este game, e mais ainda esta estratégia de marketing, que fantásticos!

    Boa sacada deles…

    • Everton Vieira 26/02/2013 at 14:06 - Reply

      Realmente muito boa a sacada Emerson.

Deixar um Comentário