Trabalhar com Jogos é uma Questão de Sorte? parte 1 de 3

ilustração1Olá pessoal, eu sou do tipo de pessoa que acredita que sorte é uma combinação de oportunidade e competência. Ou seja, sortudo é aquele que está preparado quando surgir uma oportunidade.  Você é uma pessoa interessada em ingressar na indústria de games? Se a resposta for sim, sugiro que comece já a capacitar-se, pois já existem várias oportunidades no mercado nacional. Entre elas, destacaria: o BRGames (encabeçado pelo governo federal em parceria com a Abragames), Microsoft ImageCup, XNA Chanllenger, e o já tradicional, Festival de Jogos Independentes do SBGames, que este ano ganhou maturidade e um novo nome, o NAVE (iniciativa da OI  Futuro em parceria com a PUC Rio).

– Bom, falar é fácil! Por onde devo começar Everton? O que seria necessário para aproveitar estas oportunidades ????

Considero fundamental, e um diferencial, demonstrar seriedade e profissionalismo tanto para escrever uma proposta para editais, como o BRGames, como para apresentar um bom protótipo para festivais. Para isto, o segredo está em um bom e detalhado Projeto de Jogo.

Com o objetivo de auxiliar os iniciantes a aproveitarem estas oportunidades, trago um capítulo que foi extraído de um interessante livro chamado, Creating Games – Mechanics, Content, and Technology. O trecho que posto aqui é um guia de fácil entendimento que será um bom apoio durante a criação de seu primeiro projeto de jogo, dando um tom mais profissional e aumentando muito suas chances.

Este documento de projeto descreve a visão compartilhada da equipe de desenvolvimento sobre todos os aspectos do um jogo, além do processo de desenvolvimento. Ele é considerado um documento de trabalho, pois é continuamente revisado, baseado em feedbacks e experiências que a equipe vai vivenciando durante o processo. Ele começa a ser escrito antes do jogo iniciar, mas só acaba quando o jogo for finalizado.

O formato do Projeto de Jogo é essencial para ser usado como referência. Cada capítulo armazena um aspecto específico do desenvolvimento, tal como a interface do usuário. A ordem e estilo dos capítulos varia de empresa para empresa, mas qualquer projeto de jogo compartilha das seções discutidas neste post. Quando o desenvolvedor trabalha para uma publisher, normalmente molda o documento como um plano de negócio, apresentando sua idéia da melhor forma possível. E este já seria o primeiro segredo do sucesso para você, querido leitor.

Documentos de projeto passam de 100 páginas que são mantidas pelo projetista líder e produtor, entretanto outros membros da equipe contribuem bastante. Porém criar um documento de projeto enxuto trás uma grande vantagem, a facilidade de mantê-lo atualizado entre a equipe. Isto na maioria das vezes é uma melhor opção em relação a um projeto extenso e detalhado.

A lista abaixo, apresenta o conteúdo básico de um Projeto de Jogo.

1. Página de Título

2. Sumário Executivo

3. Visão Geral

4. Jogos Relacionados

5. Composição do Jogador

6. Mundo

7. Personagens

8. Gráfico de Progressão

9. Direção de Arte

10. Storyboards de Interface do Usuário

11. Arquitetura de Software

12. Controles

13. Projeto de Níveis

14. Análise das Mecânicas

15. Cronograma

16. Orçamento

Na segunda parte deste artigo, descreverei em detalhes cada uma das etapas, até lá!

Segunda parte>>

Autor: Everton Vieira Ver todos os posts de
Sou Bacharel em Análise de Sistemas pela Universidade Católica de Pelotas (UCPel) no ano de 1999. Minha paixão por games é de longa data. Porém, em 2003 tornei essa paixão uma profissão. Durante oito anos atuei como Game Designer e Arquiteto de Software em mais de 30 projetos de Serious Games (simuladores) para grandes empresas do país. Atualmente sou sócio-fundador da Izyplay Game Studio, onde exerço o cargo de Diretor de Criação. Além do envolvimento corporativo, também participei da organização da Pós Graduação em Arquitetura e Desenvolvimento de Jogos Digitais na FATEC SENAC Pelotas. Minha área de interesse e especialização é Game Design e Inteligência Artificial.

6 Comentários em "Trabalhar com Jogos é uma Questão de Sorte? parte 1 de 3"

  1. Regis Machado 05/09/2009 at 23:01 - Reply

    Everton.. muito bom o post.. talzes a parte mais dificil em se fazer alguma coisa é documentar de maneira eficaz as partez que integram qualquer projeto/proposta… o que é muito dificil msm…
    Este ano apesar da proposta que desenvolvi para o BRGames não ter sido aprovado pude já ter uma ideia do trabalho que se tem em documentar um jogo de maneira seria. E apesar de ter total confiança que mandei uma exelente ideia de jogo tenha certeza que a documentação não tão bem feita ofuscou a proposta do jogo.
    Uma dica para se trabalhar com o GDD(Game Design Doc) quando se tem uma equipe muito grande é oferecer ele no formato de wiki… além de facilitar a pesquisa sobre determinados assuntos fica facil manter uma lista dos topicos atualizados recentemente…

    Novamente… um excelente post sobre o pesadelo de qualquer Game Design

  2. Everton Baumgarten 08/09/2009 at 23:06 - Reply

    Olá Regis,
    Pois é, agora fiquei curioso para conhecer a sua idéia 🙂

    Mesmo trabalhando na área já ha algum tempo, não tenho contato com a comissão organizadora, não sei quais foram os critérios de avaliação. Apenas torço para que tenham sido justos.
    Minha intencão ao criar este post, foi exatamente poder dar algumas dicas para o pessoal que tem talento, porém ainda não alcançou o amadurecimento necessário para conseguir expressar suas idéias em um documento complexo como o GDD. Não tenho a menor dúvida que montar um documento maduro, conta muito na avaliação. A intenção do governo será sempre financiar projetos que possam ser concluidos e que tenham chances de sucesso no exterior. Na minha visão, foram estes os motivos que levaram a edição deste ano envolver empresas já consolidadas para apoiar os novos Game Designers, que surgem de forma silenciosa no mercado.
    Resumindo, mostrar maturidade no momento de expressar suas idéias (idéias boas, claro!) é um grande primeiro passo.
    Estarei completando este artigo dando todas as dicas possíveis para a comunidade poder crescer, tornando o Brasil cada vez mais um país de desenvolvedores de jogos.
    Podem contar comigo! 😉

  3. Rafael Oliveira 08/11/2009 at 22:36 - Reply

    Olá Everton, cheguei aqui no site através do GameReporter. É a primeira vez que vejo um post bem detalhado e pratico pra quem quer iniciar na área. Já vi vários posts sobre essa questão de “como começar”, mas este realmente me chamou a atenção, pq fala de algo real que acontece nas empresas. Gostei muito da iniciativa de vocês, e estarei acompanhando o site. abraço

    • Everton Baumgarten 08/11/2009 at 23:21 - Reply

      Olá Rafael, obrigado pelo apoio!
      Continue acompanhando, esta semana estaremos postando várias novidades 😉

Deixar um Comentário